Kerygma

A DIVINDADE DE CRISTO

Posted on: Fevereiro 25, 2009

Textos: Marcos 2.28; João 1.1-14; João 8.58; João 20.28; Filipenses 2.9-11; Colossenses 1.19

Para ser cristão, é indispensável ter fé na divindade de Cristo. Esta é uma parte essencial do Evangelho de Cristo no Novo Testamento. Mesmo assim, em todos os séculos, a Igreja tem sido obrigada a lidar com pessoas que alegam ser cristãs e ao mesmo tempo negam ou distorcem a divindade de Cristo.

Na história da Igreja houve quatro século durante os quais a confissão da divindade de Cristo foi uma questão crucial e polêmica dentro da Igreja. Foram os séculos IV, V, XIX E XX. Visto estarmos vivendo num século em que as heresias estão assaltando a Igreja, diante disso é imprescindível resguardarmos a confissão da divindade de Cristo.

No Concílio de Nicéia, no ano 325 d.C., a Igreja, em oposição à heresia Ariana, declarou que Jesus é gerado e não criado, e que sua natureza divina é da mesma essência (homo ousios) que a do Pai. Essa afirmação declarou que a segunda pessoa da Trindade é uma em essência com Deus o Pai. Quer dizer, o “ser” de Cristo é o ser de Deus. Ele não é simplesmente semelhante à Deidade – ele é a Deidade.

A confissão da divindade de Cristo é extraída do testemunho multiforme do Novo Testamento. Como o Verbo Encarnado, Cristo é revelado como sendo não só preexistente em relação à criação, mas também eterno. A Bíblia diz que ele estava no princípio com Deus e também que ele é Deus (Jo 1.1-3). O fato de ele estar com Deus exige uma distinção pessoal dentro na Deidade. O fato de ser Deus exige sua inclusão na Deidade.

Em outros textos, o Novo Testamento atribui a Jesus termos e títulos claramente divinos. Deus concedeu-lhe o preeminente título divino de Senhor (Fp 2.9-11). Como o Filho do Homem, Jesus reivindica ser o Senhor do Sábado (Mc 2.28) e ter autoridade para perdoar pecados (Mc 2.1-12). Ele é chamado o “Senhor da glória” (Tg 2.1) e recebeu adoração de bom grado, quando Tomé confessou: “Senhor meu e Deus meu” (Jo 20.28).

Paulo declara que a plenitude da Deidade habita em Cristo corporalmente (Cl 1.19), e que Jesus é superior aos anjos, tema este reiterado no livro de Hebreus. Adorar um anjo, ou qualquer outra criatura, não importa quão exaltada ela seja, é violar a proibição bíblica contra a idolatria. A expressão “Eu sou” repetida no Evangelho de João também testifica sobre a identificação de Jesus Cristo com a Deidade.

No século V, o Concílio de Calcedônia (451 d.C.) afirmou que Jesus era verdadeiramente homem e verdadeiramente Deus. O concílio declarou que as duas naturezas de Jesus, humana e divina, eram sem mistura, confusão, separação ou divisão.

Esboço:

  1. A divindade de Cristo é uma doutrina essencial do cristianismo.
  2. A Igreja enfrentou crises causadas por heresias concernentes à divindade de Cristo nos séculos IV, V, XIX e XX.
  3. O Concílio de Nicéia (325 d.C.) afirmou a divindade de Cristo, declarando que ele é da mesma substância ou essência que o Pai, e que ele não era um ser criado.
  4. O Novo Testamento afirma claramente a divindade de Cristo.
  5. O Concílio de Calcedônia (451 d.C.) declarou que Jesus era verdadeiramente Deus.

Publicado por: Pr. Alexandre R. de Souza

Bibliografia: Verdades Essenciais da Fé Cristã de R. C. Sproul/ Editora Cultura Cristã

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Sobre o Blog

"O propósito desta página é ajudar àqueles que amam a Deus e Sua Palavra, auxiliando todos os que estão envolvidos direto ou indiretamente em atividades ministeriais"

Pr. Alexandre Rodrigues

Calendário

Fevereiro 2009
S T Q Q S S D
« Jan   Mar »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
232425262728  

Para refletir

"A distinção entre as ações virtuosas e pecaminosas foi gravada pelo Senhor no coração de todos os homens". João Calvino

Nuvens de Tag´s

Arquivos

RSS Kerygma – Anunciando o Evangelho de Cristo

Anúncios
%d bloggers like this: